Archive for the ‘Debates’ Category

“Energia Nuclear – Sim ou Não?” por Leonor Martins

A energia nuclear é conseguida através da denominada reacção de fissão induzida nos átomos radioactivos de urânio, pela adição de neutrões. Tal reacção, que consiste na divisão de um átomo em dois, tem como consequência a libertação de energia que poderá posteriormente ser armazenada e utilizada pelo homem nas suas variadas actividades.

Após esta explicação introdutória do que se trata afinal a energia nuclear, a oradora Leonor Martins apresentou alguns prós e contras relativamente à produção e utilização deste tipo de energia, dando assim início a uma interessantíssima reflexão e discussão colectiva sobre o tema.

Se por um lado a produção de energia nuclear proporciona a existência de uma fonte de energia alternativa ao petróleo, sem emissão de gases causadores do efeito estufa, sendo que além disso, cada 0,5kg de urânio enriquecido equivale a 4 milhões de litros de gasolina em termos energéticos… Por outro lado a utilização desta substância radioactiva apresenta mais perigos na sua utilização (quer pelo seu transporte, quer pela eventualidade de acidentes). Além disso, a produção de energia nuclear, que já em si é bastante dispendiosa do ponto de vista do investimento e da manutenção, tem como consequência a criação de resíduos perigosos cuja gestão e deposição ainda não têm solução à vista.

A questão foi levantada, as opiniões divergiram e o debate enriqueceu-se, porque todos ganhámos em informação e reflexão.

Apresentadora: Leonor Martins
Evento: Cooltiva-te V
Data: 21 de Fevereiro de 2010

Anúncios

“Sindicalismo” por Maria Inês Graça

Paradoxalmente ao esperado numa época de crise como a que vivemos, o sindicalismo parece ter vindo a perder força, apoiantes e representantes. Não obstante ser uma realidade social nem sempre vista com bons olhos, a oradora Maria Inês Graça agarrou o desafio da sua comunicação sobre o sindicalismo com todo o entusiasmo.

O sindicalismo teve a sua origem na revolução industrial pela criação de associações de socorros mútuos em apoio aos trabalhadores doentes e desempregados. Em Portugal, a actividade sindical nasce no séc. XX no seio de uma cultura e inspiração católica, tendo sido, contudo, a partir do 25 de Abril, dinamizado e controlado pelo partido comunista. Assim se foi construindo na Europa, com a ajuda dos sindicatos, um estado social que procurou criar sociedades solidárias, pela definição mais justa e equilibrada de deveres e direitos, tanto para os trabalhadores, como para as entidades patronais.

Com a proliferação do neoliberalismo e, actualmente com o surgimento de crises económicas assinaláveis, a Europa, berço das civilizações ocidentais e com um património social, humanista e civilizacional, tem-se vindo a transformar num local desigualdades sociais, onde o estado social, infelizmente, se revela insustentável.
É nos momentos de crise que se dão as grande mudanças!

E, segundo a oradora, a crise que vivemos irá estimular a criação de actividades comunitárias solidárias e, como consequência, um ressurgimento do sindicalismo, passando de um paradigma individualista para uma sociedade interdependente. Este, por sua vez, para poder dar resposta às necessidades actuais, terá que se globalizar, abrir fronteiras, trabalhar em rede, e assumir dimensões transnacionais.

Apresentadora: Maria Inês Graça
Evento: Cooltiva-te IV
Data: 7 de Fevereiro de 2010